segunda-feira, 3 de julho de 2017

Tourada para crianças: escreva ao presidente da câmara de Angra



Plataforma Basta de Touradas

ACÇÃO URGENTE: ESCREVA AO PRESIDENTE DA C.M. DE ANGRA DO HEROÍSMO

Todos os anos o programa das Festas Sanjoaninas em Angra do Heroísmo (Ilha Terceira - Açores) inclui duas actividades dirigidas às crianças, designadas "Espera de Gado Infantil" e "Tourada das Crianças", que sujeitam as crianças a imagens de grande violência e crueldade com os animais além de colocarem em risco a saúde e integridade física dos mais jovens. Trata-se de uma forma de insensibilizar as crianças para os maus tratos aos animais, formando novos aficionados da tauromaquia. A plataforma Basta denunciou ambas as iniciativas às autoridades competentes, que infelizmente permitiram a violação da lei e a utilização das crianças para a promoção da tauromaquia.

Pedimos a todos que escrevam ao Presidente da Câmara de Angra do Heroísmo, solicitando o fim destes eventos nas futuras edições das Sanjoaninas.

Email:
presidencia@cmah.pt, angra@cmah.pt

Mensagem sugerida:

---------------------------

Exmo. Senhor Presidente da Câmara de Angra do Heroísmo,

Tomei conhecimento, com imensa tristeza, da realização de uma "Espera de Gado Infantil" e uma "Tourada das Crianças" no final do mês de Junho, durante as Festas Sanjoaninas. As imagens destes eventos, expondo crianças e jovens situações de grande risco, violência e crueldade com os animais, estão a ser vistas por milhares de pessoas no mundo inteiro, com profunda indignação, e não contribuem para a boa imagem do município de Angra do Heroísmo.

Neste sentido, e tendo em conta a legislação em vigor, a Convenção dos Direitos da Criança subscrita pelo nosso país e o superior interesse das crianças da Ilha Terceira - que deve estar acima dos interesses culturais e/ou tradicionais - venho por este meio solicitar o seguinte esclarecimento:

- A autarquia a que preside tenciona tomar medidas no sentido de impedir a realização de eventos tauromáquicos dirigidos às crianças em futuras edições das Sanjoaninas?

Com os melhores cumprimentos,

(Nome)


terça-feira, 27 de junho de 2017

Comunicado do MCATA: Tourada para crianças na ilha Terceira desrespeita as recomendações do Comité dos Direitos da Criança da ONU



Crianças obrigadas a assistir à tortura de animais


Tourada para crianças na ilha Terceira desrespeita as recomendações do Comité dos Direitos da Criança da ONU

O Movimento Cívico Abolicionista da Tauromaquia dos Açores (MCATA) considera que a espera de gado para crianças, realizada no dia 26 de junho, e o espetáculo para crianças, a realizar no dia 28 de junho, integrados nas festas Sanjoaninas de Angra do Heroísmo, não respeitam as exigências impostas pelo Comité dos Direitos da Criança da ONU ao estado português.

O Comité dos Direitos da Criança, órgão executivo da Convenção sobre os Direitos da Criança, convenção ratificada por Portugal em 1990, salientou recentemente que no nosso país a proteção das crianças não é cumprida no âmbito da tauromaquia. O Comité mostrou a sua preocupação “com o bem-estar mental e emocional das crianças enquanto espectadores que são expostos à violência da tauromaquia”. E desta forma instou Portugal, “com vista à eventual proibição da participação de crianças na tauromaquia”, a adotar as “medidas legislativas e administrativas necessárias com o objetivo de proteger todas as crianças que participam em treinos e atuações de tauromaquia, assim como na qualidade de espectadores”.

No entanto, nos Açores, com a vergonhosa cumplicidade dos governantes regionais e autárquicos, algumas entidades opõem-se ao avanço da civilização em matéria de proteção das crianças. Na nossa região as exigências do Comité dos Direitos da Criança da ONU são abertamente ignoradas, chegando-se ao ponto de, num exercício de incompreensível radicalismo, organizarem touradas só para crianças.

Assim, durante as Sanjoaninas é organizada anualmente uma “tourada para crianças” na praça de touros da Terceira, um espetáculo sangrento ao qual são levadas crianças de idade escolar e pré-escolar. E também é organizada uma “espera de gado para crianças” onde é incentivada a presença e a participação ativa das crianças em contacto direto com os animais.

Como se isso não bastasse, estes espectáculos degradantes são pagos com dinheiro público, pois a Câmara Municipal de Angra do Heroísmo apoia com 100 mil euros a Feira Taurina integrada nas Sanjoaninas.

Perante esta situação que envergonha os Açores, vulnera os direitos humanos, no caso das crianças, e afasta a nossa região como destino turístico civilizado, foi recentemente criada uma petição pública que conta atualmente com mais de 800 assinaturas.

Esta petição, que repudia o “esbanjamento de dinheiros públicos” e o “desrespeito pelos direitos das crianças”, solicita ao Presidente do Governo Regional dos Açores e a outras instituições “que sejam tomadas medidas para que espetáculos violentos, onde se abusa e tortura animais, não voltem a se repetir”:
https://www.change.org/p/presidente-do-governo-regional-dos-a%C3%A7ores-n%C3%A3o-%C3%A0s-touradas-para-crian%C3%A7as-n%C3%A3o-aos-apoios-p%C3%BAblicos-para-a-tauromaquia

Até quando entidades oficiais dos Açores vão continuar a fomentar e subsidiar práticas vergonhosas e anacrónicas?


Comunicado do
Movimento Cívico Abolicionista da Tauromaquia nos Açores (MCATA)
27/06/2017



quarta-feira, 21 de junho de 2017

Assine a petição: Não às touradas para crianças



Para: Presidente do Governo Regional dos Açores, Comissão Nacional de Proteção das Crianças e Jovens em Risco, Instituto de Apoio à Criança, Comité Português para a UNICEF, Office of the High Commissioner for Human Rights, Committee on the Rights of the Child (CRC), Cogrupo sobre os Direitos das Crianças da Amnistia Internacional Portugal.

Ex.mas/os Senhoras/es,

Considerando que práticas tauromáquicas são uma expressão de insensibilidade e violência que deseduca e em nada dignifica a humanidade, sendo que estudos recentes comprovam que crianças e adultos que assistam a práticas tauromáquicas desenvolvem tendências de agressividade e violência;

Considerando que a presença de crianças e adolescentes como participantes ou simples assistentes em touradas contraria a recomendação, de 2014, do Comité dos Direitos da Criança da ONU, que pede para afastar as crianças da tauromaquia e que, entre outras medidas, recomenda também a promoção de campanhas de informação sobre “a violência física e mental associada à tauromaquia e ao seu impacto nas crianças”;

Considerando o contexto socioeconómico do país e região, que através do desinvestimento na educação, no apoio social, na saúde, no emprego e salários, nos transportes, na habitação, numa cultura educativa, têm contribuindo para a degradação da qualidade de vida das populações, sendo muitas as famílias e pessoas que perderam emprego e apoios sociais e que têm dificuldades em cumprirem o pagamento de todas as suas despesas destinadas à sua sobrevivência com dignidade;

Considerando que a Câmara Municipal de Angra do Heroísmo apoia com 100 mil euros a Feira Taurina integrada nas Sanjoaninas que inclui no seu programa no dia 26 de junho uma espera de gado para crianças e no dia 28 um espetáculo para crianças e idosos.

Ao mesmo tempo que repudiamos o esbanjamento de dinheiros públicos e o desrespeito pelos direitos das crianças, solicitamos que sejam tomadas medidas para que espetáculos violentos, onde se abusa e torturas animais, não voltem a se repetir.


ASSINE AQUI:

https://www.change.org/p/presidente-do-governo-regional-dos-a%C3%A7ores-n%C3%A3o-%C3%A0s-touradas-para-crian%C3%A7as-n%C3%A3o-aos-apoios-p%C3%BAblicos-para-a-tauromaquia



sábado, 27 de maio de 2017

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Comunicado MCATA: Cerca de 200 mil euros para touradas nos primeiros meses do ano e atividade declarada de utilidade pública


Cerca de 200 mil euros para touradas nos primeiros meses do ano e atividade declarada de utilidade pública

O Movimento Cívico Abolicionista da Tauromaquia dos Açores (MCATA) considera completamente despropositado que, só nos primeiros meses de 2017, instituições públicas açorianas como o Governo Regional e as Autarquias tenham gasto 182.809 euros de dinheiro público em financiar as touradas e o mundo das touradas.

Enquanto várias entidades declaram que têm faltas de recursos, incluindo monetários, para combater os problemas sociais que atingem a sociedade açoriana a torneira dos subsídios (montantes discriminados no fim) para tauromaquia está sempre aberta.

O MCATA considera, também, escandalosa a recente decisão do Presidente do Governo Regional, da Vice-Presidência do Governo Regional e da Secretaria Regional da Educação e Cultura, de declarar, pelo Despacho n.º 662/2017 de 29 de Março, a Tertúlia Tauromáquica Praiense como uma entidade de “utilidade pública”.

Em pleno século XXI e depois da Assembleia da República ter reconhecido aos animais a sua natureza de seres vivos dotados de sensibilidade e objeto de proteção jurídica é inconcebível que a promoção de “touradas de corda e de praça” seja equiparada à dedicação “ao bem-estar da comunidade em geral”.

Para o MCATA, o Governo Regional dos Açores persiste em confundir maus tratos aos animais com bem-estar público e ignora os valores defendidos pelo Decreto-Lei n.º 391/2007 de 13 de Dezembro, que regula o reconhecimento das pessoas coletivas de utilidade pública, que determina que estas entidades devem desenvolver uma “intervenção em favor da comunidade em áreas de relevo social tais como a promoção da cidadania e dos direitos humanos, a educação, a cultura, a ciência, o desporto, o associativismo jovem, a proteção de crianças, jovens, pessoas idosas, pessoas desfavorecidas”.

O MCATA apela a todas as pessoas de bom senso e bom coração para prosseguirem a sua luta em defesa de uma sociedade melhor para todos os seres vivos, onde não são esquecidos os novos valores como a defesa do bem-estar e dos direitos dos animais e denuncia todos os que contra a corrente persistem em difundir valores caducos, e apoiar tradições retrógradas e vergonhosas, baseadas no maltrato e a tortura de animais, de que a tauromaquia é infelizmente o máximo exponente.

Até quando os governantes dos Açores vão continuar a subsidiar e a fomentar práticas anacrónicas?

__________

Os gastos públicos em financiamento das touradas em 2017 incluem até agora:

- Câmara Municipal de Angra do Heroísmo / Orçamento municipal / Feira taurina de São João de 2017 / Tertúlia Tauromáquica Terceirense / TOTAL: 100.000 €.

- Câmara Municipal de Santa Cruz da Graciosa / Orçamento municipal / Espectáculos musicais e taurinos das festas de Santo Cristo de 2017 / Associação PRODIB / TOTAL: 50.000 €.

- S. R. da Agricultura e Florestas / Portarias n.º 294 e 295/2017 de 10 de Março de 2017 / Melhoramento e Sanidade Animal / Albino Explorações Ganadeiras Unipessoal e outros (20) / TOTAL: 22.575 €.

- S. R. da Educação e Cultura / Despacho n.º 673/2017 de 3 de Abril de 2017 / Realização de colóquios e exposição itinerante sobre a tourada à corda na ilha Terceira / Tertúlia Tauromáquica Terceirense e André Mancebo Pimentel / TOTAL: 6.990 €.

- S. R. da Agricultura e Florestas / Portarias n.º 446/2017 de 6 de Abril de 2017 / Apoio ao investimento nas explorações agrícolas / Associação Regional de Criadores de Toiros de Tourada à Corda / TOTAL: 3.244 €

- TOTAL: 182.809 €




Comunicado do
Movimento Cívico Abolicionista da Tauromaquia nos Açores (MCATA)
http://iniciativa-de-cidadaos.blogspot.pt/
25/05/2017





quarta-feira, 24 de maio de 2017

Seis mil euros para grupo de forcados



Forcados incultos

A 18 de julho de 2007, um grupinho de meninos educados na ilha Terceira na arte de bem torturar animais decidiram criar uma associação que tem por objeto principal “a pega na garraiada da queima das fitas”. Quando não há animais para importunar a associação, também, pretende “a união e agregação de açorianos estudantes em Coimbra, pois não existe nenhuma outra "organização" em Coimbra que os represente ou que os possa agregar.”

A denominada “Associação Grupo de Forcados Açoreano Tremores de Terra” é, segundo os seus responsáveis, “o mais antigo grupo de forcados existente na região de Coimbra” que “tem contado com a colaboração do Grupo de Forcados da Escola Agrária de Coimbra”.

Este ano, como a tortura de animais já passou de moda, decidiram organizar um Encontro de Estudantes Açorianos que contou com a colaboração do Governo Regional, que comparticipou com cinco mil euros, e da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo, que atribuiu um apoio financeiro no valor de mil euros.

Do que conhecemos do programa do encontro não constou nenhuma prática de tortura animal, mas não deixa de ser estranho um encontro de estudantes que pretendeu discutir, entre outros assuntos “a Autonomia dos Açores, as potencialidades da Região para o regresso dos estudantes que se encontram no exterior” seja organizado por uma associação que tem por objetivo principal atormentar e maltratar bovinos.

J. Ormonde




terça-feira, 18 de abril de 2017

Câmara Municipal de Santa Cruz da Graciosa: 50.000 euros para touradas



Subsídio público de 50.000 euros para uma associação que
apresenta valores falsos na sua contabilidade.




Manuel Avelar Cunha Santos
(Presidente da Câmara Municipal)